O Que Você Carrega Dentro Da Sua Cabeça?

Você conhece a água.

E você, provavelmente, não consegue viver sem ela. Eu tenho quase certeza disso.

Sem dúvida, você bebe água todos os dias, usa a água pra preparar uma comidinha saborosa, pra tomar um banho refrescante e cheiroso, pra lavar suas roupas, pra preparar um aromático cafezinho ou aquele chá que você gosta tanto e, até, pra dar a descarga quando vai ao banheiro.

A água limpa, lava, dilui, dissolve, escorre, vaza. A água flui, é transparente, é cristalina. A água segue seu curso, desvia de obstáculos, abre caminhos, alarga leitos. Reflete a luz, refrata a luz, rega a terra, preenche vazios. A água chove, mata a sede, vira nuvem, faz cachoeiras, balança o barco. A água faz onda.

Você também conhece o barro. Tenho certeza que você já sujou seus sapatos com ele alguma vez na vida, ou atolou seu carro, ou fez guerrinha com os amigos. Pode até ser que você já tenha rolado e se lambuzado todo de barro.

O barro gruda, suja, meleca, escorrega, mancha a roupa. O barro atola. Adere, se apega. O barro se deposita no fundo dos rios, vira lodo, estreita leitos. O barro não flui, não mata a sede, não vira nuvem, não balança o barco. Sem água, o barro seca. Enrijece. Endurece. E racha. O barro é assim.

Gosto muito de uma citação do Bruce Lee na qual ele descreve o estado da mente tal qual água:

Seja como a água fazendo seu caminho através das fendas. Não seja inflexível, mas ajuste-se ao objeto e você encontrará um caminho ao redor ou através dele. Se nada em você permanecer rígido, as coisas se revelarão sozinhas. Esvazie sua mente, não tenha forma. Seja sem forma, como água. ~Bruce Lee

Só de falar a palavra água já me dá uma sensação de frescor, fluidez e cristalinidade. Experimente, fale em voz alta: áááguaaa. Não é bom? Primeiro os lábios se afastam pra deixar o a se expandir num quase sorriso e, então, se aproximam pra posicionar a língua e passar rapidamente pelo gu em um quase beijo pra, enfim, se afastarem novamente e o a final fluir. Dá pra sentir a água na boca, nas células, no corpo todo ressoando como eco quando falamos áááguaaa.

A água tem a característica de ser flexível, de aceitar e se moldar à realidade que a envolve, ao mesmo tempo em que é capaz de extrapolar suas barragens assim que encontra um pequeno escape, mesmo que minúsculo.

Ser flexível na mente e no comportamento é qualidade que nos ajuda a atravessar as turbulências ao longo da vida sem nos despedaçar inteiros.

Ser Flexível Significa Não Ser Rígido.

A rigidez endurece e aprisiona, enquanto a flexibilidade suaviza e liberta. Pessoas flexíveis sabem fluir com o movimento da vida porque estão abertas ao novo.

Você já parou pra pensar no que anda pensando por aí?

O que você carrega em sua mente? Já se sentou quietinho em algum lugar a observar o filme que vai passando na sua cachola? Consegue delinear o fio da meada do começo ao fim? Ou ele está tão enrolado, embolado, emaranhado que só o que você consegue notar é o caos, o barulho e a confusão? Grude, sujeira, meleca e mancha? Aderência, apego, depósito, lodo e estreitamento? Rigidez, endurecimento e rachaduras?

Barro? Ou água? O que você quer para a sua vida?

Tratar de ser sem forma como a água é investir na própria juventude. É ter o pensamento flexível e a mente receptiva e curiosa.

Ser flexível não significa ser fraco, ceder sempre ou dizer sim a todos e a toda hora. Significa, isso sim, olhar para os fatos de um jeito não habitual, por uma perspectiva diferente.

Nem tudo na vida acontece de forma a nos agradar. A necessidade desesperada de controlar tudo e o desejo agonizante de fazer as coisas saírem sempre do nosso jeito são exemplos da mente tal qual barro em ação. E esse tipo de anseio só conduz a um lugar, ao lugar onde nos sentiremos estressados, frustrados, insatisfeitos e infelizes. Eu não quero ir pra lá. Você quer?

Imagine Quantas Possibilidades Diferentes Vão Se Abrir.

Manter um estado de água pode ser trabalhoso quando já se adotou uma postura de barro, mas imagine quantas possibilidades diferentes vão se abrir à sua frente.

Ajuste-se ao objeto e você encontrará um caminho ao redor ou através dele. Se nada em você permanecer rígido, as coisas se revelarão sozinhas.

Às vezes achamos que somos incapazes de realizar algo desafiador. Não somos. Mas, temos a insistente mania de parar antes de tentar.

É como dirigir na mão inglesa.

A vida inteira nos aperfeiçoamos dirigindo nossos carros do lado direito da rua, sentados do lado esquerdo e usando a mão direita pra trocar as marchas.

O que acontecerá quando quisermos dirigir um carro na Inglaterra?

Parece que não vamos conseguir, que é difícil, que não somos capazes. Sentimo-nos inseguros e frágeis. Mas, então, decidimos encarar o desafio e… percebemos que é só uma questão de treino, de prática e de atenção. Nos primeiros dias, precisaremos estar conscientes de cada pequeno gesto; teremos que pensar pra fazer uma conversão, pra trocar as marchas, pra fazer uma ultrapassagem. Mas, conforme o tempo vai passando e vamos repetindo os movimentos, criamos o hábito e o que nos parecia difícil no começo, vira corriqueiro.

Trata-se apenas de uma questão de execução, repetição, treino e hábito.

Assim também acontece com a mente acostumada a não ser como água. Pra mudar do barro pra água tudo o que temos que fazer é tentar, repetir e treinar. E, então, criaremos a oportunidade de sermos bem sucedidos e ampliarmos nosso repertório de olhares para as situações que a vida nos apresenta. Em outras palavras, tornaremo-nos flexíveis.

Como fazer isso? Abrindo mão dos velhos e empoeirados julgamentos e pensamentos pré-concebidos e preservando, apenas, os valores mais essenciais.

Sabe aquela sensação que temos na virada do ano, quando estamos certos de que vamos iniciar uma vida nova, cheia de possibilidades diferentes? É esse sentimento que a mente tal qual água cultiva sempre, em todos os instantes.

Todos Os Dias, Quando O Sol Nascer, Esvazie Sua Mente.

Reserve os primeiros minutos do seu despertar pra começar de novo, pelo começo, com a mente em branco e sem forma.

Olhe a vida como uma novidade.

E, então, faça a escolha certa:

  • Escolha fazer seu caminho através das fendas;
  • Escolha ajustar-se ao objeto para encontrar um percurso ao redor ou através dele;
  • Escolha não ter pensamentos rígidos para que coisas possam se revelar sozinhas;
  • Escolha ser sem forma; e

Seja água, meu amigo.

 

Anúncios

2 comentários sobre “O Barro e a Água – Você Tem Uma Mente Flexível?

Deixe aqui o seu comentário :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s