Maria Despercebida – Sobre O Que Acontece Com Você De Vez Em Quando

Maria Despercebida
arquivo pessoal

 

Eu estava na festa esperando ele chegar. Algumas pessoas além de mim já tinham chegado também. Eu conversava com uma amiga, sentada à uma mesa na varanda da piscina. Tinha vindo mais cedo pra ajudar nos preparativos, mas estranhava a demora dele. Enquanto conversava, reparei de soslaio que ele, enfim, se aproximava cumprimentando todos pelo caminho. Estava elegante, tinha raspado a cabeça e feito a barba. Estava bonito, grande e atraente em uma bermuda despojada e camisa de botão. Veio se aproximando como um felino ao mesmo tempo em que sorria, feliz. Ainda não tinha me notado, mas vinha em minha direção. Então ele parou bem aonde eu estava. Minha amiga se levantou e ele continuava sem me notar. Eu também me levantei para beijá-lo. Então ele se curvou e cumprimentou entusiasmado a amiga com quem eu conversava, sem olhar pra mim. Que estranho. Não houve muito tempo pra eu reagir. Antes que eu pudesse raciocinar e a ficha cair, ele se virou e eu tive que aceitar modestamente: ele ía passar por mim. Como em uma cena do filme A Mulher Invisível, eu de beijo pronto, pescoço esticado e sorriso estampado enquanto aquele pedaço de homem, cheiroso e sorridente, me transpunha sem me notar. Ía cumprimentar os amigos que se encontravam lá atrás. Com a única mão que me restava – a outra segurava um refrescante copo de chopp – espalmei seu peito e disse embaraçada e atônita: oh, e eu?

Ele virou, me olhou da cabeça aos pés como se nunca tivesse me visto antes, como se não me conhecesse – mas, na verdade, estava admirado – e: ah, desculpe, é que eu já vi você hoje. Verdade. Depois me beijou rapidamente, com conteúdo, e continuou seu caminho até os amigos que o aguardavam.

Você pode não acreditar, mas aconteceu de verdade e havia outras pessoas comigo, embora eu ache que eles não podem confirmar a estória porque já estavam no grau. Ninguém riu, ninguém comentou, ninguém se manifestou. Diante da discrição de todos, tão compenetrados, respirei fundo e não ri nem chorei, o que me requereu certo esforço porque a vontade que eu tinha era de, com cara de espanto, cutucar a amiga ao meu lado e dizer: viu isso?

Guardei os comentários pra mim mesma e descobri-me invisível. A fantasia de muitos e o martírio de tantos outros.

Já tinha me acontecido em outras situações. Caminhando na calçada, as pessoas que vêm em direção contrária se mantêm duras, retas e não desviam pra evitar o encontrão, em balcão de bar lotado na hora de pegar uma bebida, mão estendida segurando a ficha e ninguém me vê, em show lotado, o palco lá longe, eu na ponta dos pés e um gigante se posiciona bem na minha frente, em eventos sociais em casa, alguém chega, cumprimenta todos e me ignora. Aquela sensação de ser olhada, mas não ser reparada. Você está ali, mas não é enxergada. Ocupa um espaço, mas não faz diferença. Você fala mas não te escutam e, quando vai embora, não percebem. Com você já?

Em outros momentos eu teria dado tudo pra ser invisível, mas não tive a sorte. Como da vez em que passei mal no bar de uns amigos depois de tomar duas caipirinhas de vodca. Pinga me vai bem, mas não posso com vodca. Inesquecível: vomitei no meio da multidão tentando chegar ao banheiro, e em toda a minha roupa, que ficou verde da rúcula que esteve em meu estômago minutos antes. Ou da vez em que, enquanto meu marido se despedia de um amigo no portão, eu o esperava na sala de lingerie de renda preta, em pose sensual à meia luz, mas quem apareceu foi o amigo que tinha esquecido a carteira. Rá!

Ter o poder de desaparecer em momentos estratégicos é muito bom, mas ainda não descobri como fazer isso intencionalmente. Você, certamente, já ouviu falar da capa de invisibilidade do Harry Potter. Já pensou? Naquela festa fiquei invisível sem querer. Por mais que me esforce e pense nos detalhes, não consigo descobrir que técnica usei. Não que eu quisesse ter ficado invisível naquele dia, mas bem que seria muito útil dominar a técnica.

Anúncios

4 comentários sobre “Maria Despercebida – Sobre O Que Acontece Com Você De Vez Em Quando

Deixe uma resposta para fileanthropist Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s