O Som

O Som
Arquivo Pessoal

 

Doeu minha garganta.

Pensei que tivesse sido a Pipoca, aquela curiosa. Ouvi o barulho quando voltava do canil: lata balançando dentro do cesto de lixo vazio. Estava vazio, eu vi. Tinha acabado de jogar a lata de carne ao molho pra cachorro lá dentro e estava vazio. Não tinha nada lá a não ser o que eu tinha acabado de jogar. Joguei, virei as costas e saí distraída levando o pote de ração com carne ao molho para a Luna. O som do metal batendo no fundo do cesto ecoou nos meus ouvidos quando descartei a lata, confirmando que o lixo estava vazio.

Eu podia ter passado reto no meu caminho de volta do canil. Podia não ter ouvido o ruído do balanço da lata dentro do cesto de lixo vazio. Podia tê-lo ouvido e ignorado. Ah, se podia. Mas parei e espiei lá pra dentro porque ouvi o barulho. Tinha certeza que o lixo estava vazio, só com a lata que tinha jogado alguns minutos antes. E a lata estava morta, não podia se mexer.

Eu parei, surpresa. E a Pipoca, aquela curiosa, ficou me olhando.

Eu parei e olhei pra dentro do cesto, descuidada.

Foi tudo muito rápido, não pude perceber. Brotou lá do fundo e não deu pra controlar.

Primeiro fiquei nas pontas dos pés, depois sacudi as mãos como se tivesse queimado as pontas dos dedos, então, estiquei o pescoço e a espinha toda, do cóccix até o cucoruto. Os olhos se arregalaram, a pele se arrepiou, os pelos se eriçaram. Dei uns passos pra trás, uns pulinhos no lugar, puxei o ar para os pulmões e então aconteceu.

Arranhando a garganta com força, agudo e alto, rápido como um trovão em dia de tempestade ou um presidiário que aproveita a porta aberta pra fugir, o grito se desprendeu de mim, longo, sonoro, estridente. Durou minutos inteiros, até o ar todo abandonar os pulmões inflados. Doeu minha garganta.

Meus olhos agigantados, quase saltando pra fora da cara, esticados até o fundo do cesto, encontraram dois minúsculos olhinhos brilhantes e pretos, encolhidos, tímidos e cheios de pavor, emoldurados por um rabo fino que nem linha de pipa, espiando de volta lá de dentro da lata de carne ao molho, para cachorro, no cesto de lixo vazio.

Um rato.

Anúncios

Deixe aqui o seu comentário :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s