Os pés estavam cruzados.

Em um deles nasceu uma flor, um girassol.

Sempre que os pés se punham em movimento, a levavam na direção do sol.

O pé de flor se esfregava no pé sem flor. Os dedos também se moviam. Pareciam pequenos caules balançando com o vento.

A planta do pé sem flor estava por cima e roçava forte sobre o pé de flor, mas ela não queria se mover. Estava bem, assim parada, sentada na cama, com a cabeça nas nuvens e os pés cruzados. Não tinha vontade de ficar de pé, nem de botar os pés no chão, então deixou que eles continuassem o esfrega-esfrega sobre o colchão.

O pé sem flor não tinha flor, mas tinha uma pulseira de concha amarrada no tornozelo. Era um lembrete. Um chamado para o mar.

Os dois pés tinham pequenas veias finas e aparentes, onde corriam o sangue e o calor.

Às vezes o pé sem flor cansava de roçar no pé de flor e apenas se agitava, impaciente, para lá e para cá, enquanto o pé de flor repousava quieto mesmo. Depois trocavam um pouco, o pé de flor é que ficava por cima do pé sem flor, para não dormirem e formigarem.

Mas no pensamento seguinte, eles começavam a se pegar tudo de novo. Um roçava, o outro esfregava e os dois se ralavam.

Parecia uma luta.

Parecia o amor.

Tina Zani

♥♥♥

Anúncios

Deixe aqui o seu comentário :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s