caos

buraco. sou um buraco grande e escuro, muito escuro, profundo. sou um buraco cheio de noite. cheio de nada. um buraco que dá medo, buraco negro, que engole tudo, desaparece com tudo. sem fundo, com paredes de pedra farinhenta, que vão se desmanchando, pingando pó. sou um buraco, um oco redondo, um precipício doloroso. perigoso. cruel. não vejo nada lá dentro. não consigo ver lá dentro não enxergo não enxergo não enxergo. sopro ar desse buraco. o ar sai com força pela boca. eu sinto. dói. o buraco dói. ele arde. ele comprime. é um buraco negro. não sei como surgiu. não sei o que tem dentro dele. não sei porque surgiu. um buraco negro, em expansão, suas beiradas vão se desfazendo e ele se amplia. vai tomando conta de mim. vai me engolindo, me esmagando, me mastigando. tem um caos que o acompanha, uma energia densa, fumaça. um buraco. esse buraco. me dá sono. silêncio. o meu buraco. é só meu. um buraco grande, largo, longo, escuro. um breu, uma queda livre na noite no nada no vazio rugoso. escuro-cego terrível. terroso. buraco fundo. tem cheiro de medo. cheiro de não. é um papel todo rabiscado. cabelo cheio de nó. tapete cheio de ácaro. ar poluído. água parada. chuva de granizo. raio. trovão. alagamento.

Tina Zani

Anúncios

Deixe aqui o seu comentário :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s