meio mar: vídeo-poema


uma substância meio lisa
no corpo
 
que se delonga nas entrelinhas
do poema
 
que tenho entre os dedos
uma substância que chega em ondas
 
nas veias
como soro feito de água e sal que se bebe depois do porre e dissolve
 
tanto álcool quanto seiva
até sobrar mais nada que
 
uma substância meio mar
uma substância do tamanho que envolve a
 
negra noite estrelada quando espelha nas águas o
mar
 
uma substância insolente
uma substância despudorada
 
uma substância corpo
que me entorna aos goles ainda morna pelas linhas do poema e
 
as folhas brancas dobradas no canto superior direito
uma substância planta uma
 
substância viva uma substância fresca
uma substância fértil
 
uma substância que sendo fértil concebe o
que de dentro se derrama
 
quando a última folha se solta e o que sobra é um corpo
sem folhas um corpo substância e
 
as linhas e entrelinhas escorregadas para o chão abandonam o texto
quando poema e corpo se encontram.

Deixe aqui o seu comentário :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s