Todo Dia Nasce Novo Em Cada Amanhecer

Foto de Tina Zani
Foto de Tina Zani

 

Sou uma grande fã das resoluções de ano novo. Adoro pegar papel e caneta e divagar, imaginando a vida maravilhosa que farei acontecer com minhas novas atitudes. Escrevo tudo em forma de lista, desde o tamanho de cabelo que vou ter até os sonhos que vou realizar. É o momento gostoso de me deixar fluir de dentro para fora, sem barreiras nem censura, sem me preocupar com mais nada. É a própria liberdade em forma de escrita mágica.

E depois, no final do ano, é ainda mais gostoso olhar para o que planejei e ver o quanto consegui conquistar.

Este ano arrumei um caderno especial para isso, o meu Caderno de Planos. Ele é lindo. E já consigo vê-lo, daqui a alguns anos, recheado de minhas melhores intenções. Ahhhh…

Até pouco tempo atrás, era só isso mesmo o que eu fazia. Uma lista com maravilhosas intenções para o ano seguinte, que ficava guardada durante 365 dias para mostrar as caras de novo só em 31/12 e ticar minhas realizações. E, por incrível que pareça, mesmo assim algumas delas realmente aconteciam. As maiores e mais importantes, no entanto, acabavam ficando pela metade ou totalmente esquecidas.

Aprendi com os anos que sonhos, ideias e planos, para virarem realizações de sucesso, precisam vir acompanhados de atitudes. E, embora esse devaneio de escrever minhas cores me fascine e alimente, gosto muito mais de vê-las pintando meu dia-a-dia do que simplesmente mantê-las anotadas num lindo caderno só para conferi-las depois.

Por isso, quando outro dia me deparei com o post da Mandi no LifeYourWay, percebi que o que quero para mim neste ano de 2015 é que me sinta iniciando um novo ano a cada amanhecer. Que esse entusiasmo de poder mudar o que não está bom, de criar atitudes, adquirir novos hábitos, me reinventar, reviva em mim a cada novo dia e não a cada novo ano. Não preciso esperar o ano todo para olhar para trás e só então mudar. Posso fazer isso todas as manhãs. A cada semana. No final de cada mês. E, finalmente, chegarei ao final do ano com a certeza de que olhei para minha vida e para as minhas escolhas todos os dias; que escolhi de verdade os meus caminhos.

E, embora eu continue fazendo minha lista de metas e sonhos em um caderno lindo, meu maior objetivo para esse ano é reservar um momento todas as noites e olhar para o dia que se acaba. Abrir o Caderno de Planos e ver o quanto do que fiz nas últimas 24h colaborou para que eu pinte minha vida com as cores que escolhi e planejar o dia seguinte com carinho, modificando a paleta quando necessário.

Tenho certeza que assim, um dia de cada vez, vou criar a vida que eu quero viver.

O que você acha disso? Quero ouvir suas dicas e experiências a respeito das resoluções de ano novo, de fazer sonhos virarem realidade, de como e com que frequencia se autoavaliar. Compartilhe comigo os seus pensamentos.

 

Adeus Ano Velho

Foto de Tina Zani
Foto de Tina Zani

 

Junto com o ano que nasce, sempre vem um delicioso e renovado otimismo e desejos de mudanças. E, embora eu tenha acompanhado uma variedade de posts resumindo o ano que se foi e planejando o ano que entra, confesso que tive certa dificuldade para me convencer a dedicar um tempo para encarar o meu 2014 de frente, em toda sua grandiosidade, agora que se foi.

2014 foi um ano de muitas mudanças em minha vida. Mudanças importantes, nem sempre escolhidas voluntariamente, que me fizeram queimar sonhos e sair da zona de conforto para encarar meus medos e descobrir meu potencial. E eu juntei toda minha coragem, toda minha força, arranquei lá do fundo da alma e consegui dizer os nãos que precisava. Soltei as amarras, abri minhas asas e saí a voar feito passarinho novo.

Olhando para o longo ano que se foi, daqui de onde estou agora vejo que nem tudo que planejei se concretizou. Ao mesmo tempo, percebo o quanto cresci e realizei, ainda que sem querer.

A vida sorriu para mim em 2014. Um sorriso assim, meio torto e sarcástico, mas com a boca bem grande e larga, de orelha a orelha, cheia de dentes e fazendo graça. E eu sorri de volta, cada vez mais, até conseguir gargalhar de prazer ou de dor.

Em 2014 aprendi algumas coisas na marra. Aprendi que há amigos e amigos; que é preciso saber dizer não e praticar isso todos os dias para não perder a mão; que meus sonhos estão acima dos sonhos de outros; que, às vezes, precisamos dar um passo atrás para poder dar todos os que queremos à frente. Já sabia, mas aprendi na prática, que os filhos crescem e saem do ninho e que família é a coisa mais importante do mundo ao lado dos amigos de verdade. Também aprendi que fazer tudo ‘direitinho’ nem sempre dá o melhor resultado e que às vezes é preciso arriscar e quebrar regras e tabus para poder ser. E me parece que agora estou sendo um pouco mais do que antes.

Diante dos desafios que encarei no ano que passou redescobri em mim qualidades adormecidas e talentos esquecidos. Um delicioso trabalho de autoconhecimento e reconhecimento. Comecei assim e saí ‘assado’, mais viva do que nunca, com otimismo renovado e a alma lavada, limpinha, novinha em folha.

Que venha 2015 e que seja rico, em todos os sentidos.

‘Quem tem sonhos-semente pra cultivar, não consegue só arar sonhos alheios…tem muita flor pra brotar dentro de nós, nascemos pra germinar….outros nascem pra adubar…’   Nina Rocha

Gostaria de saber sobre o seu ano também. Como foi 2014 para você? O que aprendeu? O que descobriu? O quanto cresceu? Compartilhe comigo suas descobertas, é tão bom aprender com as experiências alheias 😀

Do que planejei para 2014, veja o que realizei e o que ainda não:

  • correr uma meia maratona: infelizmente não consegui, embora tenha feito os treinos, me inscrito na prova e viajado até o Rio para correr. Na sexta-feira que antecedeu o domingo da prova fui acometida por uma sinusite cavalar que me deixou de cama, com febre, calafrios e dor de ouvido. Há décadas que não tinha nada assim. Fiquei triste, mas aproveitei a viagem (do jeito que pude) para namorar.
  • escrever meu primeiro livro: esse foi boicote total. Não escrevi. Nem o livro, nem o tanto que gostaria de ter escrito durante o ano. Amo escrever. Me inscrevi no NaNoWriMo, mas estava viajando de 1 a 10/11 e quando voltei ainda demorei para começar. Comecei, mas não continuei. Me boicotei mesmo, na cara dura. Mesmo assim, percebi que sou capaz e esse ainda é um objetivo para 2015.
  • fazer mais de 100 posts no meu blog: não fiz. Nem cheguei perto. Meus posts se resumiram a 27 publicados. Mas estou super contente por ter, enfim, começado o blog. Adoro a carinha dele e me divirto publicando, escolhendo as fotos, lendo os comentários, acompanhando outros blogs. Esse também é um objetivo para 2015.
  • produzir, pelo menos, 28 trabalhos de artes plásticas: consegui! E me superei, contei 30 trabalhos!!! Que fantástico! Para 2015 esse número já ficou muito modesto e vou ampliá-lo. Agora que reencontrei os caminhos que levam minhas emoções às minhas mãos, quero trilhá-los cada vez com mais propriedade.
  • treinar musculação ao menos 1 vez por semana: sim. Ainda que tenha falhado uma ou outra semana por motivos de viagem ou saúde, considero esse objetivo cumprido, pois passou a fazer parte da minha rotina. Tenho um horário na terça-feira de manhã reservado para isso. Vou manter assim para 2015.
  • diminuir a quantidade de coisas desnecessárias que possuo: comecei, mas ainda não estou satisfeita com o nível que atingi. Ainda posso melhorar muito. Esse objetivo ainda está valendo.
  • encontrar uma nova ocupação profissional e trabalhar para mim mesma: essa, com certeza, foi minha maior conquista no ano que passou. A maior e mais difícil também. Ainda estou engatinhando, mas estou apenas no começo. Tenho um futuro brilhante pela frente e a liberdade que essa escolha me dá não tem tamanho nem dinheiro que pague. Muito feliz!!!
  • resolver minha vida financeira e ser QUASE independente: na verdade, minha vida financeira esse ano variou muito. Algumas iniciativas que havia tomado no início do ano, como fazer uma reserva financeira para usar com férias e presentes de final de ano, acabaram tendo que ser direcionadas para outros fins. Mas não tenho dívidas e meu último mês de 2014 rendeu mais que qualquer outro que tive enquanto tinha um ‘emprego’. Estou no caminho certo!
  • ter uma vida mais simples: ainda caminhando nesse sentido.
  • ter um relacionamento afetivo cada vez mais gostoso: como esse objetivo não tem um ponto final, pois trata-se de ir melhorando e aperfeiçoando o tempo todo, não dá pra dizer que conluí (nem quero, rsrsrs). Casamento é coisa que se constroi no dia-a-dia, todas as manhãs, juntos. Acho que ainda dá para melhorarmos muito, mas 2014 foi muito bom para nós. Conversamos bastante, viajamos a dois, compartilhamos nossos sonhos, planos e dores, fomos companheiros e amigos, ouvimos o outro, estivemos lá e seguramos a barra e a mão, abraçamos e beijamos, brigamos um pouquinho também, mas o mais importante, continuamos escolhendo um ao outro. O Mau foi uma das pessoas mais importantes nesse ano que passou. Esteve ao meu lado nos momento bons e ruins e me ajudou a ver quem eu sou.
  • começar um treinamento com foco em endurance e correr uma prova deste tipo em 2015: não fiz. Tenho muita vontade de correr provas de endurance, mas ainda não sei se estou preparada. Vou repensar esse objetivo.

2014 foi um bom ano. Aprendi muito sobre mim mesma e sobre a vida e fiz algumas grandes e importantes mudanças. Estou super motivada para continuar crescendo e me reinventando em 2015!

 

2014: Valores e Princípios

carta2principios

 

No final de 2013, como costumo fazer em todos os finais de ano, anotei em uma folha de papel meus planos para 2014, com o compromisso de deixá-los sempre à mão para poder revê-los com frequência e realizá-los efetivamente. Depois, desenvolvi esses planos de acordo com a proposta de David Allen no livro Getting Things Done (A Arte de Fazer Acontecer).

Como fiz isso? Encontrei no blog mude.nu uma versão simplificada, ilustrada e bem didática da proposta de Allen (já que achei o texto do livro meio complicado) e a usei para traçar meu projeto.

Comecei definindo meus valores e princípios para que minhas escolhas caminhassem sempre de acordo com eles. Isso é importante pois, conhecendo os ‘porquês’, fica mais fácil definir os ‘o quês’.

Essa fase requer um profundo autoconhecimento. É um momento em que precisamos parar, silenciar a mente e ouvir a voz que vem do coração.

Confesso que não foi um processo rápido, nem simples. Fiquei algumas semanas elaborando e revisando e, depois, mais algumas semanas colocando tudo em ordem hierárquica de prioridades para depois… rever tudo de novo.

Veja o que eu mais valorizava naquela época:

  1. a coerência: pensar, falar e agir de forma harmônica;
  2. minha saúde: se eu não estiver saudável, não conseguirei colocar em prática meus objetivos e aproveitar a vida;
  3. eu: em todos os meus aspectos e áreas de atuação;
  4. meu relacionamento afetivo: pode favorecer ou atrapalhar minha vida;
  5. meus filhos e minha família: são aqueles que importam;
  6. minha profissão.

Hoje, passado quase meio ano, revi minhas anotações e fiz alguns ajustes àquela lista. Os ajustes são importantes porque nos reinventamos a cada dia, a partir das experiências que vivemos. Muita coisa aconteceu de lá para cá e, hoje, sou uma pessoa diferente da que era no final de 2013. Então, segue a minha lista atual:

Meus Princípios e Valores – junho/2014

  1. Liberdade: para ser, para ir, para vir, para não fazer, para ver, para viver, para rir, para sentir, para sorrir, para ficar, para contemplar, para silenciar…
  2. Simplicidade: menos é mais.
  3. Leveza: a vida fica mais gostosa quando a sentimos suavemente.
  4. Desafio: hummmm, para exercitar minha coragem e ampliar meus limites.
  5. Saúde: é essencial.
  6. Eu: meu self, meu ser mais autêntico, em toda a sua beleza e grandeza.
  7. Meu relacionamento afetivo: é muito bom estarmos bem e sermos parceiros.
  8. Meus filhos e minha família (pais e irmãos): me importam muito.
  9. Meus amigos mais íntimos.

Você já experimentou escrever os seus princípios e valores? Experimentou organizá-los conforme a prioridade? A minha experiência ao fazer isso foi muito gratificante e esclarecedora. Eu já tinha uma ideia de quais eram eles, mas vê-los escritos e ordenados fez com que eu percebesse o quanto eles influenciam a escolha das minhas metas.

No próximo post, vou compartilhar a minha visão de futuro para o final de 2014.