Saúde!

Foto de Mauricio Zani
Foto de Mauricio Zani

Esse ano, a Páscoa não aconteceu como planejada.

A começar pela viagem que faríamos para a praia e que não rolou por causa de provas na escola.

Mas, ainda pior do que isso, peguei dengue!

Começou na quinta-feira, justamente na véspera do feriado. E veio com tudo: febre, dor insuportável, principalmente nas costas, gosto amargo na boca e, quando achei que já estava boa, uma coceira infernal.

Embora agora esteja me sentindo bem melhor – 11 dias depois – ainda não estou zerinho. E, segundo minha amiga Lu, que é médica, leva mais uns 10 dias para tudo voltar ao que era.

Eu, de minha parte, tenho que discordar: jamais voltarei ao que era.

Esses dias que passei prostrada, sem forças nem para bocejar, me puseram em contato com questões tão importantes e vitais que algo muito significativo mudou dentro de mim.

A começar pela nítida noção de que querer, sonhar, planejar e executar não têm o mínimo sentido se não houver saúde.

Saúde – do corpo, da mente, das emoções – é a base da vida. É o começo de tudo.

Sem saúde não tem bom humor, não tem disposição, não tem alegria. Não dá pra praticar esportes, ir ao cinema, almoçar fora, bater papo. Não dá pra trabalhar, pra viajar, pra levantar.

E, embora eu cuide muito bem da minha saúde, fui picada pelo bendito mosquitinho.

Passei meu feriado de cama. Não vi Páscoa, não vi coelho, não vi ovo de chocolate, não vi nada.

Minha vida nova está começando com uma semana de atraso, mas com um olhar realmente novo para mim e para as coisas da minha vida.

Então, saúde!

 

Anúncios

Para Começar Bem o Dia

Foto de Tina Zani
Foto de Tina Zani

 

Quando eu era criança me lembro do meu pai me ensinando a levantar da cama de bom humor. Ele dizia para eu acordar feliz, olhar o céu, cantar, ouvir os passarinhos, sorrir, pois assim teria um dia muito melhor pela frente. Me lembro de vê-lo sair da cama assobiando, de bem com a vida, com aquele brilho nos olhos que só existe nos olhos dele.

Até hoje, quando nos encontramos ou nos falamos em um dia qualquer, sua primeira pergunta ainda é ‘já sorriu hoje?’.

Ele me ensinou o bom humor pela manhã e agora está ensinando a mesma coisa aos meus filhos e seus outros netinhos. E esse é um costume que trago comigo até hoje.

Quando não sou capaz de levantar contente tenho que parar e pensar a respeito da minha vida, pois certamente tem algo me incomodando e ainda não me dei ao trabalho de identificar. Posso dizer que esse hábito é um bom termômetro do que se passa comigo.

Uma das coisas que mais gosto no meu dia é o momento de acordar. Adoro abrir os olhos e me espreguiçar, rolar pra lá, rolar pra cá, agradar o Haroldinho, nosso gato amarelo, que sempre pula na minha cama de manhãzinha. Abrir a porta e olhar o céu, cumprimentar minhas orquídeas e minha roseira, conversar com os passarinhos do Nícholas, fazer um carinho na Pipoca. É um momento mágico que parece durar uma eternidade.

Agora que estamos todos de férias aqui em casa é ainda mais gostoso. Há mais tempo para levantar sem pressa, fazer uma preguiça, esperar o Mau me trazer um cafezinho, namorar e conversar antes de sair da cama.

Adoro acordar cedo. Gosto do ar e do silêncio das primeiras horas do dia. Adoro o céu desse momento e o cheiro que sobe da terra. Os passarinhos cantam mais felizes de manhã e há uma energia intensa que se expande junto com os primeiros raios de sol.

De manhã é quando me sinto mais disposta para atividades que envolvam meu corpo. É meu momento preferido do dia para caminhar ou correr.

Mas também adoro a noite. É tão bom ouvir os grilos cantando, ficar à luz da lua, sentir o aroma da dama da noite que tem no meu portão, deitar na rede, ler um livro, dormir tarde e me embriagar na tranquilidade e no silêncio da noite, que é diferente do silêncio da manhã.

À noite é quando gosto de ler, escrever, pintar e desenhar. E como gosto tanto de dormir tarde, está bem difícil conseguir acordar cedo, especialmente porque estamos de férias e não temos compromissos de manhã.

Daí que às vezes não levanto com o bom humor de costume por me cobrar a disciplina de acordar mais cedo e aproveitar melhor meu tempo, nesse calor enorme que tem feito diariamente… O que é ridículo, pois estou de férias e posso me dar ao luxo de ser meio desleixada (nessas horas é que me pego no pulo, querendo ser perfeita e ideal).

Mas tem algo que faço todos os dias, acordando cedo ou tarde, logo chego na cozinha. Eu chamo de ‘meu copo de saúde’. E é bem simples, mas tem o poder de me fazer recomeçar bem o dia, ainda que não tenha me levantado de tão bom humor.

Trata-se de um suco cheio de coisas boas. Tem gengibre, que é termogênico e anti-inflamatório; couve, que é rica em ferro; limão, rico em vitamina C, que ajuda a fixar o ferro no organismo; tem cenoura, que é rica em vitamina A e faz bem para a pele e para os olhos (tô precisando :D); tem berinjela, que ajuda a mantér os níveis de colesterol e o peso; tem maçã, rica em vitaminas B, C e E (an apple a day keeps the doctor away); e tem água de coco, hidratante natural, rico em sais minerais e vitaminas.

Veja como preparo o meu copo de saúde…

Bato no liquidificador:

  • 1 maçã gala picada com casca
  • 1 pedaço pequeno de gengibre com casca
  • 1 pedaço de cenoura com casca (de mais ou menos 2 dedos de largura)
  • 1 rodela de berinjela com casca (de aproximadamente 1 dedo)
  • 1 folha bem grande de couve rasgada
  • suco de 1 limão
  • 1 copo de água de coco geladinha

Depois, passo na peneira e tomo antes do café da manhã, bem devagar, imaginando meu corpo recebendo esse banho de saúde e vitalidade e distribuindo para cada célula, cada órgão, todos os músculos, dentes, pele e cabelo. E, então, estou pronta.

O que você faz de manhã para começar bem o dia? Me conte, estou curiosa para conhecer outros hábitos e costumes.